Archive for Eletrônica

Comparação Galaxy S7 Edge e Apple iPhone 7 Plus

 

Galaxy S7 Edge

A concorrência entre as duas maiores fabricantes de celulares Apple e Samsung em termos de tecnologia é cada vez mais acirrada. Temos poderosos sistemas computacionais em nossas mãos atualmente. E com tanta tecnologia fica difícil escolher. Com designs cada vez mais arrojados, iPhone 7 Plusprocessadores cada vez mais potentes e quantidades de memoria cada vez maiores  atraem cada vez mais usuários.

 

Veja abaixo a comparação entre os modelos Galaxy S7 Edge e Apple iPhone 7 Plus, top de linha das duas empresas:

Característica Samsung Galaxy S7 Edge Apple iPhone 7 Plus
Ano 2016 2016
Anúncio 21/02/2016 13/07/2016
Lançamento 02/04/2016 01/09/2016
Sistema Operacional Android IOS
Versão do Sistema Operacional 6.0 Marshmallow IOS 10.0.1
Cores Branco, Dourado, Prata, Preto Dourado, prata, preto, rosa
Altura 150,9 mm 158.2 mm
Largura 72,6 mm 77.9 mm
Espessura 7,7 mm 7.3 mm
Peso 157 gramas 188 gramas
Certificados de Resistencia IP68 – Resistente a água e poeira por 30 minutos á 1.5 m de profundidade IP67 (resistência a água e poeira)
Tipo de tela Super AMOLED com 16 milhões de cores IPS LCD com 16 milhões de cores
Tamanho da tela 5.5 polegadas 5.5 polegadas
Resolução da tela 2560 x 1440 pixels 1920 x 1080 pixels
Densidade de pixels 534 pixels por polegada 401 pixels por polegada
Proteção de tela Corning Gorilla Glass Vidro reforçado e cobertura oleofóbica
Chipset Qualcomm Snapdragon 820 / Samsung Exynos 8890 Apple A10 Fusion APL1W24
Processador (CPU) (Snapdragon) Dual-core 2.15 GHz Kryo & dual-core 1.6 GHz Kryo / (Exynos) Quad-core 2.3 GHz Cortex-A53 + quad-core 1.6 GHz Cortex-A53 Quad-core 2.23 GHz
Número de Núcleos do CPU Octa-core Quad-core
Velocidade de Processador 2150 MHz / 2300 MHz 2230MHz
Processador Gráfico (GPU) 4 GB de RAM 3 GB de RAM
Armazenamento Interno 32 / 64 GB 32/128/256 GB
Cartão de Memória microSD, expansível até 200 GB Não tem
Câmera Traseira 12 MP 12 MP
Câmera Frontal 5 MP 7 MP
Resolução de Vídeo 2160P (4K) 2160P (4K)
Conector 3.5mm Presente Não tem
Tipo de Conector microUSB 2.0 Lightning
Wi-Fi Wi-Fi 802.11 a/b/g/n/ac, dual-band, WiFi Direct, hotspot Wi-Fi 802.11 a/b/g/n/ac, dual-band, hotspot
Bluetooth 4.2, A2DP, LE, apt-X 4.2, A2DP, LE
GPS Sim, com A-GPS, GLONASS, BDS Sim, com A-GPS, GLONASS
NFC Presente Apenas para Appel Pay
Radio FM Presente Não tem
Tecnologia de Rede GSM / HSPA / LTE GSM / CDMA / HSPA / EVDO / LTE
Tempo de Conversação Até 27 horas em 3G Até 21 horas em 3G

IOT e o Intel Edison

Nesta sexta (06/11/2015) e sábado (07/11/2015) estive no evento Intel Iot RoadShow 2015, na faculdade Insper para conhecer a plataforma de Iot da Intel chamada Intel Edison.

Quando chegamos ao evento recebemos um kit de
desenvolvimento com o modulo Intel Edison, diversos sensores da Grove, uma camiseta e crachá para o evento. Vejam o link para o kit aqui:

https://software.intel.com/pt-br/iot/hardware/edison

Compareceram diversas pessoas, tais como Engenheiros, Físicos, Hobistas, Estudantes e etc. No primeiro dia tivemos contato com a plataforma.

Foram dois dias de muita tecnologia

Internet das Coisas

Por exemplo através do monitoramento da eficiência energética de nossas casas a fim de encontrar formas mais produtivas para alimentar a população mundial, aproveitamento destas “coisas” conectadas e transformação de grandes quantidades de dados brutos em percepções que podem ser praticadas, causaremos um grande impacto sobre a sociedade.

Qual o tamanho e o escopo da oportunidade de IoT?  Desde integradores de sistema a desenvolvedores de software e fabricantes de hardware, a cooperação é uma necessidade. A Intel está construindo um “grupo integrado e diversificado” (onde eu estou dentro) de parceiros que colaboram para criar normas e protocolos comuns, fazendo com que as “coisas” funcionem com a nuvem.

A Intel está enfrentando estes desafios, oferecendo produtos abertos e adaptáveis, promovendo um grupo integrado e próspero e mostrando o que é possível fazer com pilotos e caMarcelo IOTsos de uso que demonstram o valor potencial e facilidade de implantação.

Para simplificar e tornar mais rápidos os processos de implantação e adaptação da IoT nas aplicações, oferecemos a Intel® IoT
Platform, um projeto que apresenta detalhes de como se conectar de forma segura e gerenciar uma frota de “coisas”, desde pequenos sensores até enormes fazendas de servidores que compõem a nuvem, sem deixar de utilizar várias ferramentas e tecnologias de análise ao longo do caminho.

A IoT está provando ser uma virada de jogo tanto para os consumidores quanto para as empresas.

Este é o maravilhoso mundo novo!

 

Internet das coisas: Engenheiro explica o conceito

A “Internet das Coisas” ou a sigla em inglês IOT – Internet Of Things refere-se a uma revolução tecnológica que tem como objetivo conectar os itens usados no dia a dia à rede mundial de computadores. Cada vez mais surgem eletrodomésticos, meios de transporte e até mesmo tênis, roupas, lampadas, sistemas de monitoramento e maçanetas conectadas à Internet e a outros dispositivos, como computadores e smartphones.

A ideia principal é que, cada vez mais, o mundo físico (das cInternet das Coisasoisas) e o digital se tornem um só, através dispositivos que se comuniquem com os outros, os data centers e suas nuvens dentro da Internet. Aparelhos vestíveis, como o Google Glass e o Smartwatch 2, da Sony, transformam a mobilidade e a presença da Internet em diversos objetos em uma realidade cada vez mais próxima.

 

Como surgiu o termo?

A ideia de conectar objetos não é nova e ja vem sendo discutido desde 1991, quando a conexão TCP/IP e a Internet que conhecemos hoje começou a se popularizar. Bill Joy, cofundador da Sun Microsystems, pensou sobre a conexão de Device (dispositivo) para Device (D2D) (TechTudo).

Em 1999, Kevin Ashton do MIT propôs o termo “Internet das Coisas” e dez anos depois escreveu o artigo “A Coisa da Internet das Coisas” para o RFID Journal. De acordo com o especialista, a rede oferecia, na época, 50 Pentabytes de dados acumulados em gravações, registros e reprodução de imagens (Wikipedia).

A limitação de tempo e da rotina no futuro fará com que as pessoas se conectem à Internet de outras maneiras. Segundo Ashton, assim, será possível acumular dados do movimento de nossos corpos com uma precisão muito maior do que as informações de hoje. Com esses registros, se conseguirá reduzir, otimizar e economizar recursos naturais e energéticos, por exemplo. Para o especialista, essa revolução será maior do que o próprio desenvolvimento do mundo online que conhecemos hoje (TechTudo).

Algumas aplicações da Internet das Coisas

Google Glass ajudou a popularizar a Internet das Coisas

O protótipo Mobii, que a Ford e Intel esta desenvolvendo, pretende reinventar os automóveis. Ao entrar em um carro com essa tecnologia, uma câmera vai fazer o reconhecimento do rosto do motorista, a fim de oferecer informações sobre seu cotidiano, recomendar músicas e receber orientações para acionar o mapa com GPS.

Caso o sistema não reconheça a pessoa, ele tira uma foto e envia as informações para o celular do dono, evitando furtos. Esse é um exemplo de um carro em um ambiente da Internet das Coisas, com acessórios online e todos agindo de maneira inteligente e conectados.

mobii

Projeto da Frod e Intel – click na foto para ir para site

Outro grande exemplo de aplicação da Internet das Coisas, envolve a parceria da fabricante de elevadores Thyssenkrupp com a Microsoft. Juntas, as empresas desenvolveram um sistema inteligente e online para monitorar os elevadores através de call centers e técnicos conectados a internet.

O ideia do sistema é prestar assistência em tempo real e evitar acidentes com manutenções preventivas nos elevadores da marca. Essa iniciativa resulta em uma redução de custo e é um exemplo de aplicabilidade da Internet das Coisas em infraestrutura.

Nos dias de hoje, são muitos os objetos conectados, como geladeiras, óculos, elevadores e carros. A rede pode intervir em pequenos dispositivos ou em infraestruturas complexas. Pensando em toda essa usabilidade, vêm surgindo iniciativas, que envolvem empresas grandes, para unificar a Internet das Coisas e isso fará toda a diferença.

Dell, Intel e Samsung, por exemplo, se uniram em julho do ano passado exatamente para padronizar as conexões, em um grupo chamado Open Interconnect Consortium (OIC). Eles pretendem criar um protocolo comum para garantir o bom funcionamento da conexão entre os mais variados dispositivos. Wi-Fi, Bluetooth e NFC serão recursos desenvolvidos pela organização. Fazem parte do consórcio também a Atmel, empresa de microcontroladores; a Broadcom, de soluções de comunicação com e sem fio; e Wind River, de software e tecnologia embarcada.

Essa, no entanto, não é a única iniciativa nesse sentido. Arquitetado em dezembro de 2013, o Allseen Alliance tem 51 empresas participantes, entre as quais estão nomes de peso, como LG, Panasonic, Qualcomm, D-Link e a Microsoft. No Brasil, o escritório do W3C, responsável pela criação do World Wide Web, a navegação padronizada por browsers, busca difundir a ideia de Internet das Coisas. O órgão é ligado ao Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR (NIC.br). Eles desenvolveram vídeos de divulgação do conceito em nosso país. Confira abaixo, o vídeo é muito bom, assista em tela cheia vale apena:

Visite também o site da Telefônica Vivo sobre a Internet das Coisas.

Pensando nisso, o sistema que desenvolvi recentemente para administração de água em condomínios, residencias e industrias leva este conceito a serio, click no link abaixo para entender melhor o que o AquaMon pode fazer por você:

Sistema de Monitoramento de Água – AquaMon

 

Sistema de monitoramento de caixa d’água para residencias, condomínios ou empresas – parte 3

Finalmente cheguei ao final do desenvolvimento do sistema de monitoramento de caixa d’água – AquaMon que foi concebido para administração da água em residencias, condomínios ou empresas. O sistema informa em tempo real os níveis dos reservatórios de água no display em seu painel. O sistema também envia informações para um servidor na internet, alem disso também envia alarmes pre-programados por mensagens de SMS em celulares.

AquaMon – Sistema de monitoramento de caixa d’água

 

O sistema AquaMon – Sistema de monitoramento de caixa d’água utiliza o conceito de “Internet das Coisas” ou “Internet of Things” – IOT veja o Artigo: Internet das coisas: Engenheiro explica o conceito

Acesso dos condôminos a informação

Cada condômino pode verificar on-line os níveis dos reservatórios do seu condomínio usando o seu computador ou celular para acessar a internet. Isso ajuda muito a administrar um recurso que cada vez mais é escasso. Imagine a seguinte situação: estou no trabalho e preciso saber se tem água disponível para tomar aquele merecido banho ou terei que ir ate a casa da sogra… Basta acessar o site do sistema, fazer o login e verificar a situação… Alias, podemos saber também se tem energia no condomínio e decidir se é melhor aguardar um pouco mais, afinal subir as escadas ate o trigésimo andar depois de um longo dia de trabalho, não é uma tarefa la muito prazerosa.

Os tipos de alarmes disponíveis são:

  1. foto 2Falta de energia elétrica;
  2. Retorno de energia elétrica;
  3. Falta de água da concessionaria;
  4. Retorno da água da concessionaria;
  5. Nível dos reservatórios em 10%;
  6. Nível dos reservatórios em 20%;
  7. Nível dos reservatórios em 30%;
  8. Nível dos reservatórios em 50%;
  9. Nível dos reservatórios em 100%;
  10. Problema no sistema de bombeamento;
  11. Possível vazamento;

As configurações do equipamento são feitas por um controle remoto por Infravermelho, isso facilita muito.20150429_211252

. As opções existentes são:

  1. Data/Hora;
  2. Calibração;
  3. Alarmes;
  4. GPRS.

 

 

 

Faz uma semana que o protótipo do sistema de monitoramento de água – AquaMon – Sistema de monitoramento de caixa d’água foi instalado no condomínio onde moro para avaliar e verificar possíveis correções de software e ou hardware. Este é o painel que desenvolvi para o produto. A imagem esta mostrando a mensagem de inicialização do sistema no display. O equipamento quando é ligado, efetua a verificação do funcionamento dos seus sistemas na forma de um auto teste e passa a mostrar no display a informação do nível dos reservatórios monitorados pelo sistema em tempo real, assim como enviar estas informações para o servidor do AquaMon – Sistema de monitoramento de caixa d’água na internet e SMS´s dos alarmes programados.

 

No próximo post pretendo detalhar melhor o funcionamento do sistema de monitoramento de água AquaMon.

Se alguém tiver interesse em obter mais informações sobre o sistema basta entrar em contato

———————————————————————-

O sistema esta pronto e operando, veja o link:

http://www.marcelobarreto.eng.br/monitoramento-nivel-de-caixa-dagua/

Medição de nível de caixa d’água para residencias, condomínios ou empresas – parte 2

No primeiro artigo abordei as varias técnicas para medição de nível. Este artigo vamos nos aprofundar na tecnologia de medição de nível por diferença de pressão. Este método apresenta uma serie de características que vai beneficiar este projeto. Dentre elas, a principal é a simplicidade mecânica aliada a uma ótima precisão.

Freescale fabrica sensores de pressão que mede a diferença de pressão entre uma entrada e outra. Veja a foto abaixo:

Sensor

Sensor

Esse sensor mede a pressão de qualquer fluido (água, óleo, ar, etc). A principal aplicação é a medição de nível em caixas d’agua, máquinas de lavar, etc.

Ha varios modelos a saber, cada um para uma faixa de pressão:

  • MPX5010DP: 0 a 10 kPa (0 a 1,45 psi – 0 a 0,1 bar – 0 a 1m de coluna de agua)
  • MPX5050DP: 0 a 50 kPa (0 a 7,25 psi – 0 a 0,5 bar – 0 a 5m de coluna de agua)
  • MPX5100DP: 0 a 100 kPa (0 a 14,5 psi – 0 a 1 bar – 0 a 10m de coluna de agua)
  • MPX5500DP: 0 a 500 kPa (0 a 72.5 psi – 0 a 5 bar – 0 a 50m de coluna de agua) – EM FALTA
  • MPX5700DP: 0 a 700 kPa (0 a 101.5 psi – 0 a 7 bar – 0 a 70m de coluna de agua)

A Freescale disponibiliza um documento explicando como fazer o monitoramento usando esta tecnologia:  AN1950

Esta outra nota de aplicação explica como evitar ruído na saída do sensor: AN1646

Conforme figura abaixo podemos ver que uma das entradas do sensor é conectada a uma mangueira plastica que deve ser posicionada no fundo do reservatório de forma que a pressão hidrostática seja a mesma no sensor.

MPX5050

 

A saída de sinal deste sensor é analógica de 0 a a aproximadamente 4,7V, e deve ser lido por um conversor analógico.

A titulo de curiosidade também é possível medir vácuo, usando a outra entrada do sensor. Inclusive é possível medir velocidade de fluxo do fluido, usando-se as duas entradas.

No próximo post pretendo falar sobre o produto já acabo pois neste momento já estou testando um protótipo aqui no meu condomínio.

Medição de nível de caixa d’água para residencias, condomínios ou empresas – parte 1

No dia 4 de fevereiro publiquei um artigo com o titulo: Falta de água no Cantareira, São Paulo poderá virar um deserto? propondo um sistema para informar o nível dos reservatórios de água de um condomínio, empresa ou residencia, de forma a ajudar na administração deste recurso tão precioso que é a agua. Sabemos que o os reservatórios de água do sistema Cantareira estão em níveis alarmantes e o governo vem acenando para um possível rodizio 5 por 2, ou seja 5 dias sem água e 2 dias com. Moro em um condomínio na Zona norte de São Paulo que poderá ser afetado por este rodizio e a proposta deste sistema é ajudar a administrar o uso consciente da água!

Este sistema que chamei AQUAMON sera constituído basicamente de duas partes:

  1. Hardware do medidor de nível com envio de informação para internet;
  2. Site ou App para acesso das informações pelo computado ou celular.

Vou escrever uma serie de artigos relatando os passos no desenvolvimento deste sistema.

Vamos começar analisando as tecnologias que podemos utilizar para a medição de nível em um caixa d’água.

O Nível é uma das variáveis mais comuns e mais amplamente utilizadas em aplicações em diversas aplicações.

Podemos definir medida de nível como a determinação da posição de uma interface de dois meios. Normalmente, um desses meios é líquido, podendo ser sólidos ou a combinação de ambos.

Temos uma grande variedade de sistemas de medição de nível, cada um com vantagens e limitações. A seleção do sistema de medição a ser utilizado deverá considerar as características específicas da aplicação, tais como: o tipo de produto cujo o nível se quer medir, a precisão desejada, custos e outras restrições existentes.

Os sistemas de medição medem ou a posição da superfície do líquido sobre um ponto de referência ou a altura hidrostática criada pelo líquido cuja superfície se deseja conhecer. Podemos classificar os medidores de nível como:

nível

Tabela 1 – Tecnologia aplicada em medições direta e indireta

Na tabela acima podemos ver que ha dois métodos a saber:

O método de medição direta que se faz tendo como referência a posição do plano superior da substância medida.

E o método de medição indireta que mede o nível em função de uma segunda variável.

Tecnologias de Medições Diretas
Visores de Nível

Este medidor usa o princípio dos vasos comunicantes, o nível é observado por um visor de vidro especial, podendo haver uma escala graduada acompanhando o visor. Esta medição é feita em tanques abertos ou fechados.

nível

Tanque com medição por vasos comunicantes

 

Boias e Flutuadores

 

Consiste em uma boia presa a um cabo que tem sua extremidade ligada a um contrapeso. No contrapeso está fixo um ponteiro que indicará diretamente o nível em uma escala. Esta medição é normalmente encontrada em tanques abertos.

nível
Contatos de Eletrodos

 

Nos líquidos que conduzem eletricidade, podemos mergulhar eletrodos metálicos de comprimentos diferentes. Quando houver condução entre os eletrodos teremos a indicação de que o nível atingiu a altura do último eletrodo alcançado pelo líquido.

nível
nível

 

Tecnologias de Medição Indireta

 

Medição de Nível por Capacitância

 

A capacitância é uma grandeza elétrica que existe em duas superfícies condutoras isoladas entre si. O medidor de nível capacitivo mede as capacidades do capacitor formado pelo eletrodo submergido no líquido em relação as paredes do tanque. A capacidade do conjunto depende do nível do líquido. O elemento sensor, é uma haste ou cabo flexível de metal. Em líquidos não condutores se empregam em um eletrodo normal, em fluidos condutores o eletrodo é isolado normalmente com teflon. A medida que o nível do tanque for aumentando o valor da capacitância aumenta progressivamente a medida que o dielétrico ar é submetido pelo dielétrico líquido a medir.

nível

 

Medição de nível por empuxo

 

Baseia-se no princípio do Arquimedes:

“Todo corpo mergulhado em um fluido sofre a ação de uma força vertical dirigida debaixo para cima igual ao peso do volume do fluido deslocado”

A esta força exercida pelo fluido do corpo nele submerso ou flutuante chamamos de empuxo.

Onde: E = empuxo V = volume deslocado δ= densidade ou peso específico do líquido

Baseado no principio de Arquimedes usa-se um deslocador (displacer) que sofre o empuxo do nível de um líquido, transmitindo para um indicador este movimento, por meio de um tubo de torque. O medidor deve ter um dispositivo de ajuste para densidade do líquido cujo nível está medindo, pois o empuxo varia com densidade.

Através dessa técnica podemos medir nível de interface entre dois líquidos não miscíveis. Na indústria muitas vezes temos que medir o nível da interface em um tanque contendo dois líquidos diferentes. Este fato ocorre em torres de destilação, de lavagem, decantadores, etc. Um dos métodos mais utilizados para medição da interface é através da variação do empuxo conforme citaremos a seguir. Consideremos um flutuador de forma cilíndrica mergulhado em dois líquidos com pesos específicos diferentes δ1 e δ2.

Desta forma podemos considerar que o empuxo aplicado no flutuador, será a soma dos empuxos E1 e E2 aplicados no cilindro, pelo líquidos de pesos específicos δ1 e δ2, respectivamente. O empuxo será dado por:

ET = E1 + E2 Onde:

Assim para diferentes valores de altura de interface, teremos diferentes variações de empuxo.

nível

Esquema de empuxo

nível

Esquema de sensor de empuxo

Medição de nível por ultra-som

 

O ultra-som é uma onda sonora, cuja freqüência de oscilação é maior que aquela sensível pelo ouvido humano, isto é, acima de 20 Khz. A geração ocorre quando uma força externa excita as moléculas de um meio elástico, esta excitação é transferida de molécula a molécula do meio, com uma velocidade que depende da elasticidade e inércia das moléculas. A propagação do ultra-som depende, portanto, do meio (sólido líquido ou gasoso). Assim sendo, a velocidade do som é a base para a medição através da técnica de eco, usada nos dispositivos ultra-sônicos.

As ondas de ultra-som são geradas e captadas pela excitação elétrica de materiais piezoelétricos.

A característica marcante dos materiais piezoelétricos é produção de uma frequência quando aplicamos uma tensão elétrica. Assim sendo, eles podem ser usados como gerador de ultra-som, compondo, portanto, os transmissores. Inversamente, quando se aplica uma força em um material piezoelétrico, ou seja, quando ele recebe um sinal de freqüência, resulta o aparecimento de uma tensão elétrica no seu terminal. Nesta modalidade, o material piezoelétrico é usado como receptor do ultra-som.

Os dispositivos do tipo ultra-sônico podem ser usados tanto na detecção contínua de nível como na descontínua. Os dispositivos destinados a detecção contínua de nível caracterizam-se, principalmente, pelo tipo de instalação, ou seja, os transdutores podem encontrar-se totalmente submersos no produto, ou instalados no topo do equipamento sem contato com o produto.

nível

Esquema de medidor de ultra-som

 

Medidor de Nível por Pressão Diferencial

 

Uma coluna vertical de fluido exerce uma pressão devido ao peso da coluna. A relação entre a altura da coluna, e a pressão do fluido na parte inferior da coluna é constante para qualquer fluido específico (densidade), independentemente da largura ou forma do reservatório.

Por tanto, o Nível pode ser inferido a partir da a pressão exercida pela altura da coluna líquida do líquido dentro do tanque.

Baseia-se no Teorema de Stevin:

P = γ h

P = Pressão em mm H2O ou polegada H2O

h = nível em mm ou em polegadas

γ = densidade relativa do líquido na temperatura ambiente ou densidade especifica .

A 4°C a água pura tem uma densidade (peso ou massa) de cerca de 1 g/cm3 , 1 g/ml, 1 kg/litro, 1000 kg/m3 ouu 62.4 lb/.ft3

Por exemplo, a pressão gerada por uma coluna de óleo de 12 pés de elevação tendo uma densidade especifica (γ) de 40 lb/ft3 é:

formula

 

O nível do líquido é proporcional à pressão no fundo do tanque. Se colocam medidores de pressão para medir a pressão do recipiente e a pressão no fundo do recipiente.

P(fundo) – P(superfície)=ρ*g*h

ρ = densidade do líquido

g= 9.8066 m/s2 = 32.174 ft/s2

Fator de conversão :

gc = 9,80 kg.m/kgf.s2 = 32,174 lb.ft/lbf.s2 .

TAnque

Arduino – Você sabe o que é?

Arduino, é uma plataforma de prototipagem eletrônica de hardware livre, projetada com um microcontrolador Atmel AVR com suporte de entrada/saída embutido, linguagem de programação padrão, a qual tem origem em Wiring, e é essencialmente C/C++. O objetivo do projeto é criar ferramentas que são acessíveis, com baixo custo, flexíveis e fáceis de se usar.

ArduinoPode ser usado para o desenvolvimento de objetos interativos independentes, ou ainda para ser conectado a um computador. Uma típica placa Arduíno é composta por um controlador, algumas linhas de E/S digital e analógica, além de uma interface serial ou USB, para interligar-se ao computador, que é usado para programá-la e interagir em tempo real. Ela em si não possui qualquer recurso de rede, porém é comum combinar um ou mais Arduinos deste modo, usando extensões apropriadas chamadas de shields.

História

O projeto foi iniciado na cidade de Ivrea, Itália, em 2005, com o intuito de interagir em projetos escolares de forma a ter um orçamento menor que outros sistemas de prototipagem disponíveis naquela época. Seu sucesso foi sinalizado com o recebimento de uma menção honrosa na categoria Comunidades Digitais em 2006, pela Prix Ars Electronica, além da marca de mais de 50.000 placas vendidas até outubro de 2008.

Apesar do sistema poder ser montado pelo próprio usuário, os mantenedores possuem um serviço de venda do produto pré-montado, através deles próprios e também por distribuidores oficiais com pontos de venda mundiais.

Plataforma

Sua placa consiste em um microcontrolador Atmel AVR, com componentes complementares para facilitar a programação e incorporação para outros circuitos. Um importante aspecto é a maneira padrão que os conectores são expostos, permitindo a CPU ser interligado a outros módulos expansivos, conhecidos como shields. Os Arduinos originais utilizam a série de chips megaAVR, especialmente os ATmega8ATmega168ATmega328e a ATmega1280.Arduino UNO

A grande maioria das placas inclui um regulador linear de 5 volts e um oscilador de cristal de 16 MHz, além de um microcontrolador. As placas Arduino tem um bootloader (programa para gravar o programa principal) que simplifica o carregamento de programas para o chip de memória flash embutido.

Software

Arduino IDE é uma aplicação multiplataforma escrita em Java derivada dos projetos Processing e Wiring. Inclui um editor de código com recursos de realce de sintaxe, parênteses correspondentes e identação automática, sendo capaz de compilar e carregar programas para a placa com um único clique. Com isso não há a necessidade de editar Makefiles ou rodar programas em ambientes de linha de comando.Compilador Arduino

Tendo uma biblioteca chamada “Wiring”, ele possui a capacidade de programar em C/C++. Isto permite criar com facilidade muitas operações de entrada e saída, tendo que definir apenas minimo duas funções:

  • setup() – Inserida no inicio, na qual pode ser usada para inicializar configuração, e
  • loop() – Chamada para repetir um bloco de comandos ou esperar até que seja desligada.

 

 

ABNT estabelece normas para reformas de casas e apartamentos – NBR 16280:2014

ReformaA partir de agora, quem for reformar a casa ou apartamento e necessitar derrubar uma parede, instalar ar condicionado ou trocar o piso, terá que contratar um “Engenheiro” ou arquiteto para fazer um projeto. Estas e outras diretrizes constam da NBR 16280:2014 “Reforma em edificações — Sistema de gestão de reformas — Requisitos” da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas), publicada em 18 de março e válida a partir de 18 de abril de 2014.

Pequenos reparos, como pintura da parede ou colocação de gesso no teto, por exemplo, não se encaixam nas novas regras da ABNT. Por outro lado, também entram nessa lista: a troca de canos, janelas, “instalações elétricas” e a gás.

A necessidade de criar a Edifício Liberdadenorma veio depois de muitas tragédias onde podemos sitar a do dia 25 de janeiro de 2012, no centro do Rio de Janeiro. O Edifício Liberdade, de 20 andares, que passava por reformas, desabou e levou abaixo dois prédios vizinhos. Dezessete pessoas morreram.

Para imóvel em garantia, toda reforma que altere ou comprometa a segurança da edificação ou de seu entorno precisará ser submetida à análise da construtora/incorporadora e do projetista, dentro do prazo de garantia.

Após este prazo, exigirá projeto de reforma e laudo técnico assinado por “Engenheiro” ou arquiteto. E o síndico ou a administradora, com base em parecer de “Especialista Engenheiro” ou arquiteto, poderão autorizar, autorizar com ressalvas ou proibir a reforma, caso entendam que ela irá colocar em risco a edificação.

Esta faltando água no seu condomínio?

Conheça o sistema de monitoramento de Água – AquaMon

JustiçaRepresentante legal do Condomínio, em juízo ou fora dele, o síndico é responsável civil e criminalmente pelos atos cometidos em sua gestão. Além disso, cabe a ele a defesa dos interesses de todos os condôminos.

A NBR 16280 (ABNT) que trata das regras aplicadas as reformas, que passa a obrigar a existência de um responsável técnico, de um laudo assinado por “Engenheiro” ou arquiteto.

É ai que entra a responsabilidade do síndico. Sendo omisso, ou seja, havendo uma reforma na unidade sem que ele exija o cumprimento da norma, e permita a continuidade da obra, estará praticando ato ilícito e omissão é crime.

O dono do imóvel terá que apresentar ao síndico do condomínio um projeto de reforma, com o material que será usado, a quantidade e a duração da obra.

A norma recomenda a consulta prévia ao incorporador ou responsável técnico pelo projeto original da edificação ou, na falta deles, “Especialista Engenheiro” ou arquiteto, para saber quais as condições da construção e o que precisa ser feito. O controle do processo é fundamental. Além de fazer os projetos e identificar os responsáveis por todas as fases da obra, é preciso registrar tudo isso, documentar e arquivar os papéis. Quem algum dia não teve dificuldade em encontrar o projeto elétrico e hidráulico para poder identificar onde pode ser colocada um prateleira?

A norma orienta ainda o proprietário ou responsável legal pelo prédio a informar em detalhes o usuário ou o síndico sobre o plano de manutenção a partir da reforma. O texto define as condições de manutenção, que não podem cessar nem durante a obra. A reforma não pode bloquear as rotas de fuga e as saídas de emergência e deve constar do plano o destino dos resíduos da reforma assim como o planejamento de entrega de materiais.

nbr16280

Fim do amadorismo – Jerônimo Cabral Fagundes Neto, secretário da Comissão de Estudo da norma e diretor do Departamento de Engenharia de Produção do Instituto de Engenharia – IE, informa que o regramento “fecha um circuito” completado pelas normas técnicas de Manutenção (NBR 5.674), Manual de Uso, Operação e Manutenção (NBR 14.037) e Norma de Desempenho (NBR 15.575).

“A perda de desempenho da edificação com modificações nos sistemas prediais e na estrutura é uma das preocupações contidas na norma, assim como as interferências no entorno da obra”, afirma Cabral.

Para ele, a nova norma esquematiza as etapas da obra e lista os requisitos para antes, durante e depois de uma reforma em um prédio ou em uma unidade. Ela afasta definitivamente o chamado “‘Zé da colher’, o faz-tudo, o curioso ou o amadorismo” e “privilegia a boa técnica”.

Confira abaixo serviços que precisarão da autorização de um profissional da área:

– Instalação ou reforma de equipamentos industrializados;
– Reforma do sistema hidrossanitário;
– Reforma ou instalação de equipamentos de prevenção e combate a incêndio;
– Instalações elétricas;
– Instalações de gás;
– Reforma ou instalação de aparelhos de dados e comunicação;
– Reforma ou instalação de aparelhos de automação;
– Reforma ou instalação de ar-condicionado exaustão e ventilação;
– Instalação de qualquer componente à edificação, não previsto no projeto original ou em desacordo com o manual de uso, operação e manutenção do edifício ou memorial descritivo;
– Troca de revestimentos com uso de marteletes ou ferramentas de alto impacto, para retirada do revestimento anterior;
– Qualquer reforma para substituição ou que interfira na integridade ou na proteção mecânica;
– Qualquer reforma de vedação que interfira na integridade ou altere a disposição original;
– Qualquer reforma, para alteração do sistema ou adequação para instalação de esquadrias ou fachada-cortina e seu componentes;
– Qualquer intervenção em elementos da estrutura, como furos e aberturas, alteração de seção de elementos estruturais e remoção ou acréscimo de paredes.

Perguntas e Respostas

Pergunta:  O síndico por si só não tem o conhecimento técnico para efetuar um diagnostico da reforma a ser efetuada, como ele deve proceder?

Resposta: Com a norma, ele deve exigir que o interessado recorra a um “Especialista Engenheiro” ou arquiteto para atestar a segurança da edificação com a intervenção que se propõe.

Pergunta: Qualquer serviço deve ter o laudo?

Resposta: A princípio sim, salvo aqueles pequenos serviços considerados como de manutenção, a exemplo de uma simples repintura, ou a substituição de uma torneira, por exemplo. O problema é que, nem sempre o síndico tem conhecimento da dimensão do serviço que está sendo executado na unidade, dai se preocupar em que tal documento seja apresentado, quando se tem conhecimento por exemplo, do trânsito de outros produtos (revestimentos, esquadrias, etc.).

No dia 03 de Março de 2015, mais uma tragedia aconteceu, desta vez tentaram forjar uma ART. Vejam, matéria no UOL: Prédio cuja varanda desabou não tinha registro válido para realizar reforma

Bibliografia:

Associação Brasileira de Normas Técnicas – ABNT. NBR 16280:2014 – Reforma em edificações — Sistema de gestão de reformas — Requisitos.

SINDUSCOM-SP. Reforma de edificações ganha norma técnica. Disponível em < http://www.sindusconsp.com.br/msg2.asp?id=7285>. Acesso em: 21 de Abril 2014.

Donato, Veruska. ABNT estabelece normas para reformas de casas e apartamentos. Disponível em <http://g1.globo.com>. Acesso em: 21 de Abril 2014.

Translate »